218820160    oinstalador@gmail.com

A ocorrência de pragas e doenças vai aumentar devido ao «stress» ambiental acrescido que advém dos impactos e da adaptação às alterações climáticas, alerta o Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (CNADS).


Afirmando que as alterações climáticas tendem a «agravar-se no futuro, o que irá afectar a floresta em Portugal, especialmente no sul do país», o CNADS avisou que também «as ocorrências de pragas e de doenças vão aumentar devido ao stress ambiental acrescido».

Em comunicado, o CNADS defendeu ser necessário considerar os impactos e a adaptação às alterações climáticas porque, em Portugal, nos últimos 55 anos, a precipitação média anual «decresceu 37mm por década e a temperatura média anual subiu 0,25ºC por década».

Como consequência das alterações climáticas, o risco meteorológico de incêndio florestal tem aumentado nas últimas décadas e tornou-se significativo no final da Primavera e no princípio do Outono.

Nesse sentido, considerou ser preciso reforçar a estratégia que dá prioridade à prevenção face ao combate e defendeu a criação de uma estrutura integrada para dinamizar políticas públicas que incidam nas causas estruturais dos incêndios florestais, nomeadamente na inversão da tendência para o despovoamento.

A floresta «ocupa áreas onde existe privação de população, razão pelas quais as medidas a adoptar terão de atender aos novos contornos das realidades rurais (diminuição absoluta da população, redução relativa dos activos agrícolas, dissociação agricultura/floresta, crescimento de economia residencial) e ao papel determinante que as políticas públicas deverão assumir para superar essas fragilidades», lê-se no comunicado.

O problema da floresta é agravado por um desordenamento estrutural, em resultado da ausência de políticas públicas consistentes e continuadas, afirma.

«A dinamização da floresta portuguesa dificilmente poderá ser assegurada com medidas de âmbito administrativo. Deve reconhecer-se que se trata de um tecido produtivo frágil, com uma dinâmica de investimento privado muito limitada (apenas interessante nas áreas que se cruzam com a indústria), mas com um enorme potencial no plano dos benefícios ambientais que pode gerar», salientou a CNADS em comunicado.


Bootstrap Image Preview Bootstrap Image Preview