218820160    oinstalador@gmail.com

Até 2020, Portugal comprometeu-se em reduzir os consumos de energia em 20%. Campanha de sensibilização para a eficiência energética na Administração Pública está em marcha com o relançamento do ECO.AP.


No entanto, o Estado estabeleceu uma meta mais ambiciosa que visa aumentar a sua eficiência energética em 30%, igualmente até 2020. 

Novas metas estão igualmente em discussão para o horizonte 2030. 

Para a percussão destas metas, o Programa de Eficiência Energética na Administração Pública, “ECO.AP”, estabelecido através da Resolução do Conselho de Ministros n.º2/2011, de 12 de janeiro, foi relançado publicamente no decorrer da Conferência ECO.AP Summit promovida pela ADENE – Agência para a Energia esta segunda-feira, no âmbito de uma Operação co-financiada pelo PO SEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Usos de Recursos. 

A conferência ECO.AP Summit contou com altos responsáveis governamentais e da Administração Pública; um representante da Comissão Europeia; uma representante das Nações Unidas; um ambientalista, um economista de renome e representantes de várias entidades públicas que irão apresentar alguns exemplos de casos de sucesso e apontar soluções para a concretização das metas definidas até 2020. 

A campanha de sensibilização, promovida pela ADENE e com o mote «A Energia tem Eco no Futuro», tem como principal desígnio envolver a Administração Pública na promoção da Eficiência Energética, através de um plano de acções inovadoras que decorrerão ao longo de 2018. 

Esta campanha pretende sensibilizar os seguintes públicos-alvo:

- Gestores Locais de Energia, que são responsáveis pela dinamização de medidas de

melhoria da eficiência energética na Administração Pública Central.

- Dirigentes superiores dos organismos públicos, que têm um papel decisivo no desenvolvimento de projectos de eficiência energética nas entidades por si dirigidas.

- Secretarias-gerais dos Ministérios, que, em muitos casos, têm competências em matéria de gestão do património edificado.

- Peritos Qualificados do Sistema de Certificação Energética dos Edifícios, que deverão ser intervenientes no processo de candidatura e de encerramento das operações materiais que venham a ser objecto de apoio pelo POSEUR no que diz respeito à Administração Pública Central.

João Paulo Girbal, Presidente do Conselho de Administração da ADENE – Agência para a Energia, explica que «para atingir objectivos e metas da Administração Pública no que se refere à eficiência energética, é necessário continuar a investir num conjunto de acções de apoio aos Gestores Locais de Energia, aos seus dirigentes superiores e a todos aqueles que pretendem implementar medidas de eficiência energética tendo em vista a redução de consumos e dando o exemplo junto do sector privado, assim como junto de todos os cidadãos, mas também com o intuito de reduzir os encargos do Estado com a factura de energia e desta forma, aliviar as contas públicas». 

Barómetro ECO.AP

Além de um conjunto de acções a divulgar durante a Conferência do dia 20 de Novembro, será apresentado o novo Barómetro ECO.AP, cujo relançamento está previsto para o início do ano de 2018.

O Barómetro ECO.AP permite ao Estado conhecer os consumos de energia e as medidas em prol da eficiência energética dos seus Ministérios e outros organismos públicos.

Esta ferramenta, mais optimizada e automatizada, auxiliará os Gestores Locais de Energia na gestão dos consumos de energia das instalações da sua responsabilidade e facilitar a obtenção de mais informação sobre como contribuir para a melhoria contínua.

A redução da factura de energia do Estado passa por intervenções estruturadas nas instalações em que se verifique maior desperdício de energia, ou seja, onde a ineficiência prevalece quer através das soluções construtivas e técnicas, mas também através de pequenos gestos por parte de todos os utilizadores das instalações do Estado, sejam elas, escolas, hospitais, serviços de finanças, entre outros.

Por exemplo, ao desligar o carregador do portátil na ficha quando se sai do trabalho, pode-se poupar cerca de 0,80 €/ano. Se 500 mil funcionários e utilizadores da Administração Pública o fizerem, pode-se poupar cerca de 330.000 €/ano. Isto é equivalente ao consumo médio anual de energia eléctrica de 1.000 famílias.


Bootstrap Image Preview Bootstrap Image Preview