218820160    oinstalador@gmail.com

Eficiência energética, conforto e segurança. Estes são os três eixos que compreendem a Domótica à luz das necessidades actuais em matéria de edifícios inteligentes. O país, mas também o mundo, caminha por gestos que se repetirão cada vez mais, à distância de um smartphone ou de um clique.


Texto: Ana Clara

Existem várias formas de maximizar a eficiência energética dos edifícios sem diminuir o conforto e o grau funcional dos edifícios. A segurança é outro ponto que assume cada vez mais importância nas soluções apresentadas pelas empresas. E o conforto potencia uma utilização confortável e moderna de todos os espaços nas novas habitações e nas remodelações. 

As principais soluções disponíveis no mercado balizam-se por algumas prioridades. O principal objectivo é conceber um sistema de controlo capaz de integrar todas as áreas técnicas do edifício, com o intuito de maximizar o grau de eficiência energética, segurança e conforto. 

A interacção entre as diversas áreas técnicas permite gerir o edifício de uma forma mais eficiente e por isso mais adequada. 

Entre as mais diversas opções, a Domótica e a Segurança electrónica andam, quase sempre, de mãos dadas, já que se tratam de áreas técnicas transversais à engenharia electrotécnica de baixa tensão. 

No campo da Segurança, a Domótica actua, por exemplo, nos sistemas de alarme contra intrusão, incêndio e controlo de acessos, podendo integrar meios de telecomunicações para serem monitorizados remotamente. 

Há ainda que ter em conta que com os sistemas de circuito fechado de televisão, que utilizam programas de software, é possível obter imagens captadas nas câmaras de segurança. 

Há também soluções dedicadas à chamada automação doméstica, que permitem o controlo de luzes e aparelhos electrónicos. 

Há, assim, vários tipos de mecanismos que utilizam a Domótica. Destacamos os mais relevantes. Um deles é o chamado sistema de gestão integrada, que contempla aplicações para gestão de habitação a partir de smartphone, uma opção que está a revolucionar o mercado da oferta e da procura. 

Os contadores de energia inteligentes são também uma nova realidade, que permitem aos utilizadores obter os consumos da sua habitação. 

É também já um facto, já utilizado por bastantes famílias, a gestão das suas habitações através de um smartphone, naquilo a que se designa por integração multimédia, nomeadamente através da televisão, onde é possível gerir a partir do telefone autênticas bibliotecas multimédias. 

Na área AVAC é onde a Domótica também é cada vez mais aplicada, através da programação de horários para activar/desactivar equipamentos de aquecimento, ventilação ou o ar condicionado, permitindo manter um nível de conforto, poupando energia e não esquecendo a comodidade de poder efectuar uma chamada para casa para se certificar de que realmente desligou o aquecimento. 

Gestão de iluminação é uma opção cada vez mais frequente e que as empresas que actuam no mercado da Domótica oferecem cada vez mais aos seus clientes.

Seja em casas particulares, empresas, bancos, entidades do Estado, museus, edifícios comerciais e industriais a Domótica está cada vez mais presente no país. As metas da eficiência energética aliadas à política de reabilitação urbana ajudam a melhorar o conforto e segurança do parque habitacional e empresarial/estatal. 

(Continua) 

Nota: Este artigo integra o Dossier Electricidade e Electrónica da edição n.º 253/Maio 2017, da revista O Instalador. 

Para aceder na íntegra ao mesmo, solicite uma assinatura através do seguinte contacto: oinstalador@gmail.com


Bootstrap Image Preview Bootstrap Image Preview