218820160    oinstalador@gmail.com

Especialista sugere construção de mega estruturas de areia e pedra para poder estabilizar as geleiras continentais com maior risco de colapso com o objectivo de evitar subidas do nível do mar


Texto: José Alex Gandum


Michael Wolovick, especialista em glaciologia e pós-doutorado na Universidade de Princeton, EUA, passou dois anos a estudar se um conjunto de projectos específicos de geoengenharia poderia resistir ao pior aumento do nível do mar nos últimos séculos. Esses projectos postos em prática poderiam dar tempo às pessoas para se adaptarem para as alterações climáticas e eventualmente conseguir reverter algumas situações mais graves.


No oceano Atlântico, Wolovick está a estudar a possibilidade de a construção de paredes subaquáticas nas foz das geleiras mais instáveis do mundo - milhares de toneladas de areia e pedra que se estendem ao longo do fundo do mar - mudaria a maneira como essas geleiras respondem na sequência do aquecimento do oceano e da atmosfera, desacelerando drasticamente ou revertendo o seu colapso.


Se elas funcionarem conforme o planeado, essas grandes paredes poderiam fazer com que as geleiras durassem até dez vezes mais do que as que fariam sem qualquer acção no chão. Em simulações rudimentares, as paredes fazem uma geleira que colapsaria no prazo de 100 anos.


Michael Wolovick apresentou o seu trabalho, projectado para as grandes geleiras da Antárctida e da Groenlândia, na reunião anual da American Geophysical Union, realizada em Dezembro passado.


Bootstrap Image Preview Bootstrap Image Preview