218820160    oinstalador@gmail.com

Embora não com o volume de resíduos e desperdício de outras festividades, como o Natal, a Páscoa também é uma altura de consumismo.


Texto: José Alex Gandum

À semelhança do Natal, a Páscoa é também uma altura do ano de grande consumismo, o que invariavelmente origem a muitos resíduos - que nem sempre são tratados da melhor maneira - e a muito desperdício.

Começando pelos presentes para as crianças, há marcas que nos seus designados ovos de Páscoa, embrulham um minúsculo objecto ou chocolate num papel enorme.

Além de desnecessário para proteger o brinde em questão, muitas vezes esse papel ou pseudo-papel (às vezes são folhas de alumínio) nem sequer é colocado no recipiente certo para reciclagem. Há que distingui-los e meter esses resíduos no local certo.

Também em termos de comida e bebida, nesta altura do ano aumenta em grande medida o consumo de bebidas engarrafadas, nomeadamente as que têm álcool. Esses resíduos devem ser colocados no vidrão, o que infelizmente nem sempre acontece.

Em matéria de desperdício, a Páscoa também é das alturas do ano com mais atentados ao ambiente, em especial porque muitos encontros de família, característicos da época, dão origem a grandes sobras de alimentos, em especial confeccionados. Também aumenta o consumo de determinados mamíferos, o que não é o melhor para o ambiente.

As viagens são outra característica da época de Páscoa: as pessoas deslocam-se para o interior e para locais de praia - quando o tempo o permite, como está a acontecer na presente Páscoa. Grandes deslocações implicam sempre grandes consumos de combustíveis fósseis, o que volta a ser prejudicial ao ambiente.

Por isso, o conselho é sempre o mesmo: moderação em tudo o que se faça nesta época: na aquisição de brindes, nas opções de comida e de bebida, e nas deslocações desnecessárias.


Bootstrap Image Preview Bootstrap Image Preview