218820160    oinstalador@gmail.com

A Siemens quer ajudar à transformação da Madeira na primeira smart island portuguesa e foi com esse objectivo que esteve, na semana passada, no Smart Funchal’ 17, onde apresentou um conjunto de soluções que podem contribuir para o desenvolvimento energético, urbanístico, industrial e tecnológico da ilha, garantindo maior inovação, sustentabilidade e competitividade.


«Já participámos e continuamos a participar em diversos projectos de vital importância no Arquipélago da Madeira, e estamos convictos de que o conceito smart pode também ser aplicado em ilhas, com claros benefícios energéticos, de mobilidade e para as infraestruturas fundamentais ao desenvolvimento social e económico de toda a região», afirma Hélio Jesus, director de tecnologia da Siemens Portugal.

Devido às suas características intrínsecas, as ilhas tornaram-se nos últimos anos laboratórios vivos de destaque para as iniciativas voltadas para o futuro, em termos de construção de sistemas energéticos autossuficientes e eficientes.

A Siemens conta no seu portofólio com um vasto leque de soluções já testadas nesta e noutras áreas (indústria, mobilidade ou tecnologia de edifícios), que podem facilmente ser implementadas na Madeira, contribuindo para a criação de negócios e emprego, para o aumento da produtividade e competitividade da região e para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos.

«Sempre com a inovação como mote, a Siemens tem sido pioneira na defesa e criação de Cidades/Ilhas Inteligentes um pouco por todo o mundo, e Portugal não é excepção. Um dos 20 Centros de Competências (CoCs) da Siemens, sedeados em Portugal é exclusivamente dedicado a Micro-Redes e Armazenamento de energia, conceitos fundamentais para o conceito de Smart Islands», refere a marca em comunicado. 

Tecnologia em destaque na SmartFunchal

A tecnologia blockchain, já usada nos EUA, é um método inovador de armazenamento e de validação de dados que permite transações directas entre produtores e consumidores de energia.

As transações são registadas de forma rastreável e inviolável em sistemas distribuídos sem necessidade de monitorização centralizada, permitindo um maior controlo e autonomia, e salvaguardando a eficiência. Uma solução ideal para ilhas, e que pode ser instalado no porto do Funchal.

«Porém, transformar a Madeira numa smart island é um desafio que vai além da energia. A ligação entre Funchal e o Porto Santo é ideal para as soluções de propulsão eléctrica da Siemens, tornando mais eficaz e menos poluente o trajecto que une as duas ilhas. Os sistemas de propulsão híbrido-eléctricos permitem uma redução significativa do consumo de combustível e diminuem o ruído dos ferries. As metas da União Europeia para as emissões de CO2 estipulam uma redução de 75% até 2050, quando comparadas com os valores registados no ano de 2000, e não é possível atingir estas metas ambiciosas com tecnologias convencionais», explica a Siemens.

Na área da mobilidade é possível uma gestão de tráfego muito mais eficaz, sistemas de iluminação de vias públicas mais eficientes, semáforos de baixo consumo e o recurso a modos de transporte suaves e/ou partilhados, com a inerente redução das emissões de CO2.

«O conceito de smart island engloba ainda a eficiência dos edifícios, que devem ter padrões elevados de conforto (temperatura, iluminação, qualidade do ar) e segurança (controlo de acessos, intrusão, vídeo vigilância e incêndio), uma vez que é neles que se centram os maiores consumos de energia das cidades. Optimizá-los e torná-los mais eficientes é o primeiro passo para contribuir para as cidades mais verdes».


Bootstrap Image Preview Bootstrap Image Preview