Atlas Copco: vapor - caldeiras de vapor de 1,3 a 16 toneladas/hora
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Legionella: coerente e consequente na prevenção

Revista O Instalador02/05/2018
Artigo publicado na edição de Janeiro/Fevereiro da revista O Instalador.
foto

Texto: Manuel Martinho


Introdução


Considerada como problema de saúde pública a doença dos legionários é uma pneumonia causada pela bactéria “legionella”, que quando presente nos aerossóis (gotículas de água) respirados provocaminfeção nas pessoas, não se transmitindo de pessoa para pessoa.


Está associada a vários tipos de instalações técnicas, equipamentos e edifícios, sendo o risco maior nos locais com temperatura da água a rondar os 20°C a 45°C acumulativo em zonas com estagnação ou de reduzida renovação da água.


São propícios para odesenvolvimento da bactéria, hotéis, restaurantes, edifícios comerciais e industriais e serviços com torres de arrefecimento e ar condicionado, recintos desportivos, piscinas de natação ou recreio, spas, saunas, consultórios dentários, hospitais e clínicas, de entre outros.


Enquadramento


Os graves casos de infeção por “Legionella” ocorridos, em Portugal e a constatação de surtos com carácter cada vez mais frequente, são já uma questão que naturalmente devem preocupar não só as autoridades mas também os técnicos responsáveis pela operação e exploração de instalações expostas a este risco.


No Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios publicado no Decreto-lei nº 79/2006, de 4 de abril, as auditorias da Qualidade do Ar (QAI) incluíam a despistagem da presença de bactéria da “ legionella”. ODecreto-lei nº 118/2013 de 4 de abril, revoga o anterior deixando de integrar a obrigatoriedade de avaliação da Qualidade do Ar Interior, na avaliação energética dos edifícios.


A Portaria 353-A/2013 de 02 de dezembro vem estabelecer os valores mínimos de caudal de ar novo, e os limiares de protecção e as condições de referência para os poluentes do ar interior dos edifícios de comércio e serviços novos, sujeitos a grande intervenção e existentes e respectiva metodologia de avaliação reforçando os parâmetros da qualidade do ar.


Contudo este controlo fica adstrito ao plano de manutenção de equipamentos, submetidos a avaliação de seis em seis anos.


Cabe à Inspeção Geral do Ambiente e Ordenamento do Território (IGAMAOT) a inspeção de cumprimento da legislação e a instauração de processos de contraordenação em caso de incumprimento das entidades.


Há quem entenda que a alteração legislativa ocorrida em 2013 no Sistema de Certificação Energética, potencia um alívio da prevenção com consequente surgimento de novos e mais casos, e daí reclamar a necessidade de um regime jurídico capaz de regulamentar a prevenção e proteção das pessoas e do ambiente.


No que respeita aos riscos profissionais e prevenção, a saúde e segurança dos trabalhadores, é uma obrigatoriedade nas actividades das Entidades Empregadoras prevista na Lei102/2009, alterada pela Lei 3/2014, consubstanciada numa prévia avaliação de riscos, cujo cumprimento sesujeita a contra-ordenação muito grave, a aplicar pela Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), nos casos de incumprimento.


A Avaliação de Risco


Independentemente do quadro legislativo em que nos movimentemos, será certamente consensual para a prevenção da Legionella anecessidade de um ativo processo de gestão e minimização de seusriscosnos sistemas de água de uma edificação sem a utilização de uma Avaliação de Risco de Legionella na difícil tarefa de identificar, prevenir e minimizar os riscos desta bactéria para proteção dos utentes das instalações de uma qualquer organização, sejam eles clientes, visitantes, colaboradores e a comunidade à sua volta.


Aos titulares da responsabilidade, tais como os empregadores, os proprietários e os responsáveis por qualquer local, têm a obrigação legal de identificar e gerir o risco de exposição à Legionella, desenvolvendo medidas preventivas e de controlo, efetuando registo de manutenção, e dados de segurança, que constituam um “documento vivo”, atualizado regularmente evidência o cumprimento do legalmente estabelecido.


Perante elementos propícios ao desenvolvimento de “ legionella” as políticas preventivas de avaliação de riscos profissionais no local de trabalho, consistem em examinar e monitorizar regularmente as instalações e equipamentos a água presente na instalação no seu processamento, identificando os perigos para a saúde e a estimativa do risco, assim como as opções de avaliação.


(continua).


Nota: Artigo publicado na edição de Janeiro/Fevereiro de 2018 da nossa revista.


Caso queira aceder à versão integral, solicite a edição, e contacte-nos através dos seguintes meios:


Telefone: 21 761 57 20


E-mail: oinstalador@gmail.com

APREN - Associação Portuguesa de Energias RenováveisAssociação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar CondicionadoHisense: serie HI - AquaSmart menos emisiones de CO2Jaba: tradução 4.0Bombas de calor Spirit inverterAdene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Fujitsu ar condiionado mámixo siléncio mínimo consumoPortugal Smart Cities Summit 16 - 18  de nov. 2021 FIL - Parque das NaçõesDecorHotel: Fil - Lisboa 21 a 23 Out 2021Nova gama de Ar Condicionado

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial