Atlas Copco: vapor - caldeiras de vapor de 1,3 a 16 toneladas/hora
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Atmosferas Explosivas

Revista O Instalador07/05/2018
“Gerir o risco - uma atitude para prevenir.
foto

Por Manuel Martinho


Quando Portugal perfaz mais de 15 anos que entrou em vigor o Decreto-lei nº 236/2003 que transpõe a “Diretiva ATEX" (atmosferas explosivas),, ocorreu-me abordar esta temática pelas muitas vezes que o assunto se questiona, nomeadamente para que serve e a quem se aplica.


Muitas são as atividades industriais em que devido à natureza combustível das substâncias que processam, manipulam ou armazenam podem proporcionar a ocorrência de formação de atmosferas explosivas, com consequências devastadoras no plano humano, material e ambiental.


Nestes lugares, a prevenção do risco do seu aparecimento é objeto de regulamentação específica, ATEX, proceder à análise dos processos e instalações industriais, à avaliação e classificação de zonas de risco, para definir e adotar medidas de segurança capazes de assegurar baixa probabilidade de ocorrência de um incêndio ou explosão.


O que neste artigo é referido deve ser interpretado com flexibilidade de adaptação a cada caso ou situação, circunstâncias locais concretas e específicas de unidade.


Com este artigo pretende-se dar a conhecer conceitos básicos e proporcionar a quem está envolvido em processos e instalações industriais, uma metodologia geral para a classificação das zonas e medidas preventivas baseadas nas Diretivas Europeias sobre atmosferas explosivas.


Conceitos base


Uma explosão é a transformação rápida de um sistema, que libertando energia produz efeitos mecânicos e térmicos com graves danos humanos e materiais e “ocorre por mistura com o ar em condições atmosféricas, de substâncias inflamáveis sob a forma de gases, vapores, névoas ou poeiras, na qual, após ignição, a combustão se propague a toda a mistura não queimada” (Diretiva 94/9/EC).


Podem ser de origem térmica, inflamação de uma atmosfera explosiva, física, súbito aumento de volume e grande liberação de energia, geralmente acompanhado por altas temperaturas, produção de gases e forte estrondo e química (resultado de uma reação química).


Estas substâncias, maioritariamente gases e vapores, mas também poeiras e compósitos instáveis são suscetíveis de em certas condições provocarem explosões numa conjugação de certas condições: (hexágono de explosão, equivalente à combinação dos três elementos do triângulo do fogo):



  1. Presença de um comburente, normalmente o oxigénio atmosférico;

  2. Um combustível (misturado com o ar pode formar um uma ATEX).

  3. Estado físico do combustível (gasoso, aerossol ou poeira);

(continua)


Nota: Artigo publicado na edição de Abril de 2018 da nossa revista. Caso queira aceder ao artigo e à edição na íntegra, contacte-nos através dos seguintes meios:


Telefone: 21 761 57 20


E-mail: oinstalador@gmail.com

Hisense: serie HI - AquaSmart menos emisiones de CO2DecorHotel: Fil - Lisboa 21 a 23 Out 2021Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar CondicionadoJaba: tradução 4.0Fujitsu ar condiionado mámixo siléncio mínimo consumoAdene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Bombas de calor Spirit inverterPortugal Smart Cities Summit 16 - 18  de nov. 2021 FIL - Parque das NaçõesAPREN - Associação Portuguesa de Energias RenováveisNova gama de Ar Condicionado

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial