Investigadores da Nova descobrem processo inovador a nível mundial para atingir a neutralidade carbónica

O Instalador10/03/2020
Descoberta de investigadores do ITQB NOVA e da FCT NOVA pode ser a chave para resolver um dos maiores desafios à sustentabilidade do planeta.
foto

Uma equipa de cientistas do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier (ITQB NOVA) e da unidade de investigação UCIBIO da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT NOVA) descobriram uma proteína inovadora com capacidade de reduzir o dióxido de carbono da atmosfera.

Os investigadores Inês Cardoso Pereira e Rita Oliveira (ITQB NOVA) e Maria João Romão e Cristiano Mota (UCIBIO - FCT NOVA) publicaram um estudo na revista científica ACS Catalysis que indica novos caminhos para resolver um dos maiores desafios atuais para a sustentabilidade do planeta: a neutralidade carbónica.

Com o dióxido de carbono na atmosfera da Terra no nível mais elevado da história da humanidade, vários países a nível mundial estão comprometidos em alcançar a neutralidade de carbono até 2050.

Para alcançar esse objetivo, a emissão global de gases de efeito estufa deve ser equilibrada com a captura de dióxido de carbono. O solo, as florestas e os oceanos são os principais agentes naturais de retenção de carbono, mas não são suficientes para alcançar a neutralidade do carbono. Desta forma, é crucial encontrar novos catalisadores que permitam a redução de CO2 em quantidades significativas.

Neste estudo os investigadores concentraram-se em estratégias bioquímicas que a natureza desenvolveu para converter o dióxido de carbono, tendo em vista o desenvolvimento de catalisadores mais eficientes e sustentáveis.

Os investigadores foram à procura de uma bactéria comum em solos e ambientes marinhos e no intestino humano, a Desulfovibrio vulgaris. Este tipo de bactéria emprega enzimas que transformam o dióxido de carbono num combustível químico equivalente ao hidrogénio a que se chama formato.

A bactéria estudada pela equipa da NOVA é especialmente ativa nesta função de redução de dióxido de carbono e invulgarmente estável mesmo na presença de oxigénio. “Essas características tornam essa enzima um modelo ideal para o estudo desse mecanismo e para o desenvolvimento de catalisadores sintéticos similares”, explicou a investigadora da UCIBIO Maria João Romão.

Inês Cardoso Pereira, do ITQB NOVA, acrescenta: “perceber o funcionamento deste processo biológico com milhões de anos de evolução pode dar-nos a chave para o desenvolvimento de novas tecnologias que permitam a redução dos níveis atmosféricos de dióxido de carbono”.

O próximo passo será modificar a enzima estudada para a melhorar e poder introduzir no mercado.

foto
À esquerda, as investigadoras do ITQB NOVA Inês Cardoso Pereira e Rita Oliveira. À direita, os investigadores da UCIBIO Maria João Romão e Cristiano Mota
Toyotomi Ar Condicionado - Japan
Adene janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Vulcano: o parceiro certo para um apoio total20 Years Jaba traduçao técnica especializada 4.0Summit 2020O InstaladorBosch esquentadores com baixas emissões de NOxClimamed del 10 al 12 de enero 20201O InstaladorEfcis série Jade o AR condicionado com purificador ARTektónica cambio de fechas 8 - 11 de octubreSmart Cities Summit 22 - 24 de septiembre de 2020O Instalador Acompanhe no Facebook

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - edifícios - energia - ambiente

Estatuto Editorial