Atlas Copco: vapor - caldeiras de vapor de 1,3 a 16 toneladas/hora

Agência de Energia do Porto lidera projeto europeu para combater a pobreza energética

Redação Induglobal13/02/2021
Iniciativa, chamada ‘Porto Energy ElevatoR’ (PEER), nasce para promover a eficiência energética nos edifícios e o autoconsumo a partir de fontes de energia renováveis.
foto

A Agência de Energia do Porto (AdEPorto) vai liderar um projeto europeu, financiado no âmbito do programa Horizonte 2020, destinado a combater a pobreza energética. A iniciativa chama-se ‘Porto Energy ElevatoR’ (PEER) e está alinhada com as principais políticas europeias e nacionais, bem como com as metas e requisitos definidos em documentos como o Plano Nacional Energia e Clima 2030, o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 ou a Estratégia de Longo Prazo para a Renovação de Edifícios, recentemente aprovada.

Entre os principais objetivos do projeto, contam-se a promoção da eficiência energética nos edifícios – responsáveis por 30% das emissões de CO2 na área Metropolitana do Porto a Norte do Douro (AMP-ND) - e o fomento do autoconsumo de energia, individual e coletivo, a partir de fontes limpas.

Em concreto, numa primeira fase, o PEER vai focar-se no edificado dos Municípios da AMP-ND, intervindo num parque de 3.000 habitações e na promoção de cerca de 12 MW de sistemas de aproveitamento de energia renovável.

Com o projeto, pretende-se ainda testar, pela primeira vez, na região - e em Portugal -, esquemas de financiamento e modelos de negócio inovadores no setor da Habitação, que permitam mais facilmente canalizar investimento e facilitar a disponibilização de fundos para a intervenção nos edifícios.

De acordo com o Presidente da Agência de Energia do Porto e Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto, Filipe Araújo, este projeto vai permitir à AdEPorto “atuar de forma ativa no combate à pobreza energética, ao mesmo tempo que contribui para a mitigação das alterações climáticas. Este é um exemplo paradigmático da defesa do ambiente e do Planeta, alicerçado numa transição justa e positiva para os nossos cidadãos”.

Para além da AdEPorto, o Consórcio do projeto conta com três parceiros: a RdA Climate Solutions, a S317 Consulting e a TELLES Advogados, que, em conjunto, vão desenvolver ferramentas técnicas, financeiras e legais de apoio à implementação de projetos de eficiência energética e aproveitamento de energias renováveis.

Estas ferramentas destinam-se ao setor da Habitação, mas também aos seus interessados, desde as famílias individuais aos municípios e às entidades gestoras de Habitação Social, passando por Cooperativas de Habitação e outras organizações privadas de gestão de parques habitacionais.

No decorrer do programa, pretende-se ainda disseminar e replicar resultados aos Municípios mais próximos da Área Metropolitana do Porto, bem como disponibilizar, a nível nacional, as ferramentas desenvolvidas. Para facilitar a interação com potenciais interessados, será criado o Porto Energy Hub, que inclui um espaço físico e um portal online, permitindo um acesso rápido e direto às ferramentas desenvolvidas.

A maioria dos edifícios em Portugal apresenta, ainda, um nível igual ou inferior a C nos certificados de eficiência energética. No geral, o edificado atualmente existente foi construído antes de 1990, apresentando requisitos térmicos baixos ou nulos.

Também o parque de Habitação Social nacional, representando na AMP-ND cerca de 25.655 habitações, é constituído por construções com mais de 20 anos e, por isso, com baixos requisitos térmicos.

A baixa eficiência energética do parque edificado é um dos fatores potenciadores da pobreza energética, sendo Portugal o 4º país mais afetado na Europa dos 28, de acordo com o relatório 'European Energy Poverty Index', de janeiro de 2019.

No contexto atual, tendo em conta os impactos socioeconómicos da pandemia provocada pela Covid-19, espera-se que o número de famílias em situação de pobreza energética aumente.

A maioria dos edifícios em Portugal apresenta, ainda, um nível igual ou inferior a C nos certificados de eficiência energética. No geral, o edificado atualmente existente foi construído antes de 1990, apresentando requisitos térmicos baixos ou nulos

A pobreza energética envolve a dificuldade ou privação das famílias e indivíduos em aceder a serviços essenciais de energia, como o aquecimento, arrefecimento ou iluminação das habitações, podendo ter efeitos adversos na saúde e bem-estar, provocados, por exemplo, pela prevalência de elevados níveis de humidade, baixas temperaturas e pela presença de fungos e bolores.

Conteúdo relacionado

Adene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Bosch: nova gama de ar condicionado Climate 3000iVulcano: garantir o seu futuro faz parte de Vulcano soluções solares térmicasPanasonic: apenas 779 mmClimamed Lisboa 11th and 12th May 2021All things energy forum 2 - 4 / 06 / 2021Tektónica 6 - 9 de octubroJaba: tradução 4.0

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - edifícios - energia - ambiente

Estatuto Editorial