Atlas Copco: vapor - caldeiras de vapor de 1,3 a 16 toneladas/hora
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Em altura, Prevenção e Engenho [3]

Texto: Manuel Martinho | Engenheiro de Segurança no Trabalho19/04/2021
No âmbito da engenharia do produto, a segurança no conceito de desenvolvimento de produtos equaciona a conceção, estabilidade e resistência de um andaime a partir dos seus componentes.
foto
Andaime de construção para fachadas.

A escolha para implementação de um andaime situa-se, de acordo as circunstâncias de utilização, entre um andaime normalizado de componentes previamente pré-fabricado, configurado e dimensionado, para um padrão de utilização tipo e um andaime de configuração dedicada que carece de dimensionamento específico.

A confiança para uso de um andaime normalizado envolve três variáveis: a certificação do fabricante que o produz, a homologação do produto e o manual de montagem.

Com a certificação e homologação visa-se, através da implementação e supervisão contínua, garantir o controlo de qualidade dos materiais e se os processos de fabrico cumprem todas as obrigações legais aplicáveis, bem como se os requisitos para marcação CE, foram demonstrados. O fabricante está obrigado a fazer acompanhar o produto vendido do respetivo manual de montagem, com as instruções gerais necessárias à utilização do produto.

Observadas as duas primeiras variáveis (certificação e homologação), recai sobre o cumprimento das normas de segurança para a montagem e utilização, uma vez que o instalador é responsável e está obrigado a cumprir as normas indicadas no manual fornecido pelo fabricante.

As instruções de montagem e utilização, válidas apenas para o andaime a que respeitam, não obsta a que a entidade utilizadora deva também e previamente ter em consideração:

I. A observação dos regulamentos locais, regionais e nacionais, aplicáveis à função a que se destina, prevalecendo na sua versão mais atualizada.

II. As normas específicas inscritas nas instruções de montagem e utilização tidas em conta no projeto e construção com vista a um uso seguro.

III. A disponibilização ao pessoal das instruções de montagem e utilização, potencialidades e condicionantes, tais como formas de operação, limitações técnicas, riscos que podem resultar de utilizações diferentes das previstas, resultantes da adulteração, supressão de proteções e dispositivos de segurança e outros avisos e cuidados de segurança a cumprir.

foto
Andaime: sequência de montagem.

1. Princípios básicos prevenção

Sem dispensar a necessária avaliação de risco na fase de projeto devem princípios básicos de prevenção estar sempre presentes para:

I. Assegurar a estabilidade para evitar o colapso do andaime, para tal será de prever e adotar proteções à estrutura (ancoragens e ou escoramentos), definir e sinalizar limites e condições de carga e assegurar por inspeção o cumprimento de todos os requisitos e condições de utilização previstos;

II. Prevenir quedas de pessoas ou objetos instalando proteções coletivas tais como guarda-corpos e guarda pés, proteções de escadas; plataforma entre lances, dispositivos de segurança (cabos, linhas de vida, pontos de ancoragem, etc.); zonas de passagens seguras e formas de evitar obstáculos, colocar redes de proteção; modo de acondicionar materiais sobre os andaimes e sinalização de segurança.

III. Restringir o acesso a pessoas autorizadas, com formação robustez física e mental (aptidão) para trabalho previsto.

IV. Assegurar formas de evacuação e salvamento dos utilizadores em caso de emergência.

V. Disponibilizar proteção individual em bom estado e adequado à condição do trabalhador, ou seja, sistema de amarração ao posto de trabalho e sistema anti-quedas (cintos de segurança, arnês, amortecedores de queda, paraquedas retráctil, paraquedas deslizante, absorvedor de energia, mosquetões) capacete com franquelete, luvas e botas de proteção mecânica.

2. O transporte do andaime para o local

Para deslocar um andaime para o local onde vai ser montado não é menos importante avaliar para alem da escolha do andaime, as condições de manuseamento, acondicionamento, carga, meio de transporte, descarga e movimentação no local. Neste particular, a organização da carga deve compatibilizar-se com o meio de transporte a usar, de modo a não ultrapassar o peso bruto, e as dimensões permitidos para o(s) veículo(s).

O acondicionamento dos elementos componentes deve permitir que a movimentação mecânica e manual seja fácil, não ultrapassar os limites das possibilidades destes fixados na carroçaria, formando uma carga rígida e bem distribuída, não oferecendo riscos de queda durante o transporte e descarrega. Ter em atenção que não é permitido o transporte de pessoas junto com a carga.

O estudo dos trajetos, limitações físicas e disponibilidades são fatores de âmbito especifico, ainda que de relação complementar ao tema e, não vêm ao caso no âmbito deste artigo, não podem ser desprezíveis para a segurança e êxito da operação.

foto
Escada de acesso em andaimes.

3. O procedimento de montagem de andaimes

Existem vários tipos de material com metodologias de implementação específicas. Os andaimes fixos, os andaimes de rodas, os andaimes suspensos e os andaimes mistos. Existem também tipologias distintas, como o material de fachada e o multidirecional, este mais adequado à indústria.

Pode variar de acordo com o tipo de material e fabricante, o que exponho neste artigo possui um caráter meramente exemplificativo.

Como primeiro passo, o estudo prévio para inventariar o material disponível, sequenciar a evolução e definir os equipamentos necessários para a montagem.

De entre outras, verificar se a estabilidade e solidez do terreno para garantir que não existem fragilidades ou escavações abertas nas proximidades do solo capazes de proporcionar o colapso do andaime é imprescindível.

Para tal, é necessário:

a) Que as fundações, a natureza do terreno e a compactação estejam em consonância com as cargas previstas;

b) As atividades contíguas à área circundante não apresentam riscos específicos que possam pôr em perigo a estabilidade do andaime;

c) Controlar e desviar as águas pluviais, evitando a erosão do terreno;

d) Em caso de pisos inclinados (passeios, estradas e plataformas), utilizar socalcos que permitam evitar o deslizamento e/ou uma rotação inadequada, garantindo que a capacidade dos montantes é suficiente para suportar a carga calculada;

e) Nunca apoiar uma base de andaime sobre materiais de construção ocos (tijolos, blocos de betão) nem sobre peças de madeira sujeitas a forças de flexão, se a resistência destas não tiver sido calculada. Convém referir que a superfície onde vai assentar o andaime - conjunto e cada base da prumada sobre a qual se inicia a montagem dos prumos, deve ser capaz de resistir às cargas que lhe são transmitidas pela estrutura;

f) Travar os prumos junto ao solo, para que a base de apoio seja estável para todo o conjunto;

g) Em zona de terreno inclinado (até 30%) as bases deverão ser enterradas a uma profundidade mínima de 20 cm, ou em alternativa utilizar uma base oscilante que se molde à morfologia do terreno e permita a degradação das cargas;

h) As bases dos andaimes devem sempre estar sobre superfícies estáveis, limpas e desimpedidas a fim de permitirem uma visualização continuada das condições de apoio em todas as fases de trabalho do andaime.

A montagem de andaimes sobre bases frágeis e instáveis poderá conduzir ao colapso do sistema e contribuir para o desencadeamento de acidentes e tragédias com elevados prejuízos humanos e materiais.

Bases ocultas ou obstruídas prejudicam a monitorização das condições para utilização e a inspeção e verificação do andaime.

Calçar as bases com madeira, é uma prática que a ser usada deve ser suficientemente avaliada na resistência para suportar mais do que uma base de arranque e permitir uma distribuição de carga por igual.

i) Iniciar a montagem sempre pelo ponto mais elevado do terreno.

j) Preparar o equipamento de forma a diminuir a distância na passagem de material para a montagem.

Nota: Continua… no próximo número.

Nova gama de Ar CondicionadoJaba: tradução 4.0Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar CondicionadoAPREN - Associação Portuguesa de Energias RenováveisFujitsu ar condiionado mámixo siléncio mínimo consumoAdene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Portugal Smart Cities Summit 16 - 18  de nov. 2021 FIL - Parque das NaçõesHisense: serie HI - AquaSmart menos emisiones de CO2Bombas de calor Spirit inverterDecorHotel: Fil - Lisboa 21 a 23 Out 2021

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial