Grupo Midea SGT: XTREME SAVE ultra popança de energia
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Os centros de dados e o papel na energia renovável

O Instalador25/11/2021
Os centros de dados de hiperescala podem ser uma importante fonte de flexibilidade no sistema de energia da Europa, ajudando a integrar uma maior penetração de energia renovável.
foto
Os Grandes Centros de Dados no Reino Unido, Alemanha, Irlanda, Noruega e Países Baixos estão projetados para uma procura de 5,4GW (gigawatts) em 'energia de TI ao vivo' em 2030, acima da 3GW no final de 2021, de acordo com um novo estudo publicado em outubro pela BloombergNEF (BNEF) em parceria com a Eaton e Statkraft.
Este número baseia-se num cenário central; o relatório delineia também um cenário de crescimento mais agressivo, que vê a potência de TI ao vivo exceder os 7GW até 2030. Embora geralmente visto como apenas uma fonte de procura no sistema de energia, o relatório conclui que os centros de dados são também um recurso em grande parte inexplorado para apoiar a rede e a integração de energias renováveis.

O estudo 'Data Centers and Decarbonization: Unlocking Flexibility in Europe's Data Centers' explora o crescimento dos centros de dados nos cinco mercados e como os centros de dados poderiam proporcionar flexibilidade ao sistema de energia.

Em toda a Europa, prevê-se que a energia eólica e solar se aproximem de 60% da produção total de energia até 2030. Com estas penetrações crescentes, surgirá uma maior necessidade de flexibilidade. O estudo salienta a necessidade de uma maior sensibilização para a flexibilidade dos centros de dados não só entre os operadores e utilizadores dos centros de dados, mas também entre os serviços públicos e os reguladores.
Michael Kenefick, autor principal do relatório e analista de energia descentralizada na BNEF, salienta que “os centros de dados podem ser parte da solução para conseguir maiores penetrações de energia renovável na Europa. Os seus recursos energéticos no local, tais como fontes de energia ininterruptas e geradores de reserva, poderiam no futuro ser utilizados para ajudar a apoiar a rede. E as tarefas informáticas poderiam também ser deslocadas para tempos - ou locais - de elevado recurso eólico e solar”.
Dos recursos considerados, os sistemas UPS parecem ser a fonte mais promissora de flexibilidade no termo imediato. Baseados na tecnologia de baterias, são universalmente instalados em centros de dados, e estão particularmente bem adaptados à tarefa de fornecer resposta rápida de frequência (FFR), um serviço concebido para ajudar os operadores de rede a manter uma frequência de funcionamento estável. No Reino Unido, Irlanda e Noruega, os sistemas UPS dos centros de dados poderiam ser mais do que suficientes para satisfazer as necessidades totais de FFR. Alguns operadores de centros de dados já estão a experimentar a prestação de tais serviços utilizando os seus sistemas UPS.
foto
No entanto, o relatório conclui que os operadores de centros de dados continuam hesitantes em trazer estes recursos para suportar o sistema de energia, citando acordos de nível de serviço com clientes, falta de visibilidade e transparência sobre os benefícios de proporcionar flexibilidade, e falta de know-how. Por esta razão, BNEF estima que apenas 3,8GW de flexibilidade poderão materializar-se a partir dos centros de dados nestes mercados até 2030. Isto é menos de um quarto da capacidade potencial de 16,9GW, e equivale a 1,7% da carga máxima esperada nos cinco mercados em 2030.

Karina Rigby, presidente, Critical Systems, Electrical Sector da Eaton para a EMEA, afirma: “as instalações de centros de dados são únicas e comparáveis às micro-redes nas oportunidades que oferecem através da sua potência computacional e infraestrutura física, particularmente as vastas quantidades de armazenamento de energia das baterias ligadas aos seus sistemas de energia de reserva existentes. Este estudo destaca o enorme potencial inexplorado de flexibilidade dos centros de dados para proporcionar benefícios económicos, regulamentares e climáticos. Pedimos aos operadores de rede, reguladores, operadores de centros de dados e utilizadores que colaborem para desbloquear a tecnologia de estabilização da rede dos centros de dados”.

Ao comparar os cinco países em questão, cada um enfrenta diferentes desafios e oportunidades relativamente aos centros de dados e ao sistema de energia. Impulsionados pelo crescimento da procura de serviços informáticos e de armazenamento de dados, tanto por parte das empresas como dos utilizadores finais, os centros de dados de hiper-escala e de colocação poderiam representar até 24% da procura de eletricidade na Irlanda em 2030; 8% na Holanda, e 5% no Reino Unido, no cenário central. Na Noruega e Alemanha, há mais margem de manobra para o crescimento, com centros de dados projetados para responderem apenas por 2% da procura de eletricidade de cada país em 2030.

A Irlanda é um mercado maduro, onde os operadores de hiper-escala têm vindo a investir há anos, e é provável que continue a crescer apesar de alguns desafios na integração de centros de dados no sistema de energia. Espera-se que a Irlanda, o Reino Unido, os Países Baixos e a Alemanha registem 80-104% da capacidade dos centros de dados entre 2021 e 2030.

A Noruega, partindo da base mais baixa, prevê um crescimento de 205% na procura de energia dos centros de dados entre 2021 e 2030, graças aos seus preços competitivos da energia industrial e à sua proporção muito elevada de energia limpa em comparação com outros mercados, o que a torna um destino atrativo para os operadores de centros de dados que procuram executar uma “operação verde”.

Albert Cheung, chefe de análise da BNEF, acrescentou: “os operadores de centros de dados já foram líderes na procura de acordos de compra de energia renovável para tornar as suas operações mais ecológicas, e estão cada vez mais à procura de outras formas de demonstrar o seu compromisso com os objetivos climáticos. À medida que o sistema de energia mais vasto adotar mais energias renováveis, terão ainda mais oportunidades, não só de comprar energia renovável, mas também de fazer parte da solução para a sua integração na rede”.

O relatório completo está disponível para download através deste link.

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar CondicionadoApemeta XI encontro nacional de gestaão de residuos: uma nova era? 16 de dezembro 2021 auditorio do alto dos monhosJaba: tradução 4.0Caio CavalcantiAdene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Bosch: a mais recente mudança já lhe é familiar.

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial