Informação profissional do setor das instalações em Portugal
Maioria dos stakeholders na área das infraestruturas energéticas defende que a energia net zero é impossível sem digitalização

Relatório da Siemens revela necessidades das infraestruturas no pós-pandemia e no combate às alterações climáticas

Redação Induglobal17/01/2022

Estudo mostra que as prioridades para os gestores de infraestruturas são a adaptabilidade, a sustentabilidade e dar resposta às alterações climáticas.

foto

Um estudo da Siemens, intitulado 'A New Space Race1', destacou a necessidade cada vez mais premente de as infraestruturas globais mudarem o seu foco para a adaptabilidade, resiliência e descarbonização.

Com base em entrevistas realizadas em 10 países, a 500 gestores sénior de diversas áreas relacionadas com infraestruturas, o relatório salienta como as prioridades mudaram num mundo pós-pandémico2. Entre as suas conclusões, destacam-se o foco crescente do papel das infraestruturas na promoção de uma transição energética digitalizada, na redução das emissões de carbono, na facilitação de modelos de trabalho futuros, bem como no seu potencial para desempenhar um papel mais ativo na saúde e no bem-estar das pessoas.

"Os stakeholders na área das infraestruturas estão a começar a atuar com real urgência, porque reconhecem a necessidade de acelerar o processo de descarbonização, procurando maior resiliência e adaptabilidade, ao mesmo tempo que se mantêm competitivos", afirmou Matthias Rebellius, CEO da Siemens Smart Infrastructure.

"As grandes mudanças são desafiantes, mas as nossas metas mais ambiciosas são possíveis de alcançar, se aproveitarmos o poder dos dados e das novas tecnologias, se estivermos abertos a uma maior cooperação e se continuarmos a impulsionar a inovação", salienta.

A digitalização como facilitador da descarbonização das infraestruturas

O relatório mostra um aumento significativo do número de organizações que define metas de baixo carbono ou de carbono neutro. A maioria dos entrevistados está otimista quanto a tais metas, com 94% a preconizar que as suas organizações serão neutras em carbono até 2030.

67% dos stakeholders na área das infraestruturas energéticas são da opinião que, sem digitalização, a neutralidade carbónica não é possível e consideram que a previsão e automação impulsionadas pela inteligência artificial (IA) terão o maior impacto sobre os ativos, projetos e investimentos de infraestruturas nos próximos cinco anos.

Por outro lado, 63% pensam que a digitalização dos edifícios e das redes de energia está atrasada quando comparada com os níveis de digitalização alcançados noutras indústrias. Apenas 31% dos inquiridos afirmam fazer pleno uso dos dados de que dispõem, sendo que quase metade refere que ainda não chegou a esse ponto.

foto

Adaptabilidade aos desafios futuros é o requisito mais importante para os edifícios

Além do impacto das infraestruturas no ambiente, o relatório assinala as novas necessidades e expetativas das pessoas em relação a edifícios, fábricas, instalações, escritórios, residências e infraestruturas circundantes, constatando que a adaptabilidade figura como o fator mais crítico na conceção de novos edifícios ou instalações, de modo a permitir que o propósito dos espaços possa ser redefinido para se adequar aos requisitos de quem os vai utilizar. Considerou-se que este critério era não só o mais importante, mas também o mais difícil de concretizar.

"No futuro, os edifícios serão muito mais digitais. Um gestor de infraestruturas será capaz de automatizar e controlar remotamente um maior número de funcionalidades, beneficiando também de uma rede de sensores melhor e mais ampla, cujos dados contribuirão para visualizações integradas e conjuntos de dados mais abrangentes. Isto possibilitará um controlo mais refinado e fornecerá conclusões que permitirão melhorar a capacidade de resposta e adaptação dos edifícios do futuro”, afirmou Rebellius.

Notas de rodapé: 

1 No sentido de corrida pelo espaço físico, num trocadilho com a corrida ao Espaço do sex. XX;
2 Os países envolvidos incluem ativos e ambições relacionados com infraestruturas de grande escala e/ou muito avançados. Os questionários foram preenchidos em junho e julho de 2021.

Informação complementar

O estudo identifica três dimensões ou 'espaços' interligados e sobrepostos, em que os stakeholders nas áreas das infraestruturas precisam de adaptar os seus ativos o mais rapidamente possível.

A primeira dimensão – o espaço físico – assinala as novas necessidades e expetativas das pessoas em relação a edifícios, fábricas, instalações, escritórios, residências e infraestruturas circundantes.

A segunda dimensão – o espaço digital – discute a evolução do suporte operacional dos espaços físicos, impulsionada por avanços em IA, automação, sistemas de energia, conetividade e previsões baseadas em dados.

A terceira dimensão – o espaço terrestre – debate o impacto dos espaços físico e digital no planeta como um todo, incluindo uma revolução dos sistemas de energia, a qual criará um legado sustentável para as gerações futuras. Em cada um desses espaços, o relatório 'A New Space Race' explora os desafios e os perigos que os stakeholders terão de endereçar.

Pode aceder ao relatório completo, aqui.

Segurex 11 - 13  cout 2022 Salão internacional de protecção, segurança e defesaBosch: o ar condicionado perfeito todos? é simples. É BoschKeyter: HVAC&R SolutionsChillventa: International Exhibition Refrigeration. Nuremberg 11 -13.10.2022Concreta Arquitetura Construçao Desenho Engenharia 13 - 16 outubro 2022Um futuro mais verde faz parte da VulcanoCEES 27 - 30 june 2023 Funchal / Portugal International Conference

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial