Trane - Portugal - Sociedade Unipessoal, Lda
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Condomínios são determinantes para a eficiência energética dos edifícios

13/12/2022
Crise energética implica medidas mais ambiciosas.
Imagen
Condomínios alertam para a necessidade de uma interação governamental mais ágil para melhor adequação de fundos e mecanismos para estimular a eficiência energética dos edifícios, numa altura em que se vive uma verdadeira crise de energia, a nível global. A esmagadora maioria dos programas de apoio à eficiência energética de edifícios destina-se a pessoas singulares, excluindo os condomínios dos seus benefícios. Contudo, são precisamente os condomínios que desempenham o papel mais importante para a implementação destes mecanismos, porque são eles que podem centralizar os processos de procura de soluções e de decisões, em matéria de investimentos para melhorar a eficiência energética dos imóveis.
O setor dos edifícios é responsável pelo consumo de aproximadamente 40% da energia, na Europa, e cerca de 30%, no caso de Portugal. Mais de 50% deste consumo pode ser reduzido através de medidas de eficiência energética. Os maiores níveis de consumo ocorrem nas grandes cidades e aglomerados populacionais, especialmente nos edifícios em propriedade horizontal. De acordo com dados da Eurostat, em Portugal quase metade da população mora em apartamentos, enquanto 37% vivem em moradias e 18% em casas geminadas. Para a ANPAC, a eficiência energética é já uma preocupação intuitiva dos profissionais da administração de condomínio, não só pela despesa que a energia representa nas quotas mensais dos condóminos, mas pela ambição e necessidade de se fazer mais para alcançar as metas de descarbonização dos edifícios assumidas pelo País.

No âmbito das políticas ambientais do PRR, foram criados, em 2022, diversos programas de apoio à eficiência energética em edifícios, destacando-se o Programa Vale Eficiência, o Apoio à Renovação e Aumento do Desempenho Energético dos Edifícios de Serviços e o Programa de Apoio Edifícios + Sustentáveis.

A par destes programas do Fundo Ambiental, a medida 'Casa Eficiente 2020' concede empréstimos em condições favoráveis, a operações que promovam a melhoria do desempenho ambiental dos edifícios de habitação particular, com especial enfoque na eficiência energética e hídrica, bem como na gestão dos resíduos urbanos. São beneficiários deste programa qualquer pessoa singular ou coletiva, de natureza privada, nomeadamente os condomínios, para operações realizadas em território nacional. A associação tem acompanhado estas iniciativas com expectativa, mas entende que se pode ir mais longe.

Alexandre Teixeira Mendes, Presidente da ANPACondomínios, salienta: “até agora, a implementação de medidas e programas para uma maior sustentabilidade dos edifícios está condicionada aos limitados recursos dos condomínios e a quóruns e deliberações unânimes, que dificilmente acontecem. Para impulsionar um avanço considerável em termos de descarbonização dos edifícios e melhoria significativa da sua eficiência energética, os condomínios deverão ser considerados e elegíveis para os programas já em vigor. As dotações deverão ser bastante ajustadas às necessidades de melhoria da eficiência energética nos edifícios e alguns limites das despesas elegíveis estão muito desfasados dos valores de mercado atuais. Contudo, quando os programas permitirem a candidatura a condomínios é expectável os apoios serem proporcionais ao número de frações e permitirem implementar medidas que efetivamente possibilitem melhorar a sustentabilidade energética do parque imobiliário nacional”.

A urgência do presente

Se, por um lado, as novas construções – já por imposição legal - estão mais otimizadas a nível energético, por outro, a diferenciação na construção materializa-se nos equipamentos e soluções inovadoras implementadas. A exigência sobre o desempenho energético dos edifícios continua a aumentar, mas a realidade é que após mais de 12 anos de obrigação da certificação energética para edifícios, no momento de venda ou arrendamento, 50% dos imóveis certificados apresentam uma classe energética pouco eficiente, com classes que variam entre F e D.

Alinhada com os objetivos nacionais em matéria de energia e clima, a eficiência energética dos edifícios é uma das maiores prioridades europeias atuais e outra das suas orientações passa por estimular o desenvolvimento das Comunidades de Energia Renovável (CER) e o Autoconsumo Coletivo (ACC) para a partilha, armazenamento e venda de energia produzida a partir de fontes de energia renováveis.

Neste âmbito, a ANPAC também tem estado atenta às iniciativas que estão a surgir e esteve envolvida na apresentação do projeto 'Energia +COOLetiva' no âmbito das comunidades energéticas. A associação já promoveu um debate para associados e demais profissionais, sobre esta temática, bem como sobre as alterações legislativas no ACC e CER, cujo prazo de apresentação de candidaturas decorre até ao dia 31 de janeiro de 2023, para todo o território de Portugal Continental.

Alexandre Teixeira Mendes, Presidente da ANPACondomínios, conclui: “sabemos que a descarbonização dos edifícios ainda tem um longo caminho a percorrer, no País. Contudo, existem pontos de viragem e creio que este é o momento de unirmos esforços e atuar em conjunto para que os mecanismos de apoio que estão a ser disponibilizados e criados se ajustem às atuais necessidades do mercado e às expectativas da população. Os profissionais de administração de condomínios podem ser um enorme aliado no objetivo de aumentar a sustentabilidade ambiental dos edifícios, de minimizar custos de consumos energéticos e de melhorar os níveis de conforto térmico das habitações das famílias portuguesas”.

REVISTAS

SoliusPanasonic: a tua casa poupa. O planeta também.Bosch - Termotecnologia, S.A. (Bosch Junkers)Profei, S.L.VulcanoSiga-nos

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter O Instalador

    20/05/2024

  • Newsletter O Instalador

    13/05/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial