Efcis - Comércio Internacional, S.A.
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Construção em Portugal: Investimento de 27 mil milhões de euros em 2022

FIEC12/07/2023

Todos os anos, a Federação Europeia da Indústria da Construção (FIEC) publica o seu relatório estatístico, que dá uma visão da atividade de construção e demonstra a sua importância para a economia em geral.

Este relatório analisa 22 países individualmente, bem como a União Europeia (UE) no seu conjunto, com base nos seguintes elementos: panorama geral (situação económica geral, política económica geral, políticas públicas em relação à indústria da construção), investimento na construção total, construção de novas habitações, renovação e manutenção de edifícios residenciais, construção não residencial e engenharia civil, emprego no setor da construção e a sua percentagem no emprego global da UE, licenças de construção.

Imagen

Visão Geral sobre o setor em Portugal

Após a queda sem precedentes de 8,3% sofrida pelo PIB em 2020, a economia portuguesa recuperou nos dois anos seguintes, crescendo 5,5% em 2021 e 6,7% em 2022. De acordo com as previsões do Banco de Portugal, espera-se que a economia continue a crescer nos próximos anos, embora de forma moderada, com um crescimento de 1,5% em 2023, 2,0% em 2024 e 1,9% em 2025.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), mesmo com a forte subida dos preços dos materiais e serviços e a subida das taxas de juro praticadas nos vários mercados, todas as componentes do PIB português registaram desempenhos positivos, com destaque para o forte crescimento anual das exportações (+16,7%) face a um aumento anual das importações de (+11,0%), um diferencial favorável ao crescimento do PIB.

Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) registou um crescimento de 2,7% devido, sobretudo, a uma forte evolução do investimento em máquinas e material de transporte (+5,5%), dado que o comportamento do investimento em construção foi muito modesto (+0,8%).

Investimento em construção. Fonte: FIEC

Investimento em construção. Fonte: FIEC.

Em linha com a evolução positiva do PIB, o mercado de trabalho registou uma evolução favorável ao longo de 2022, com crescimento do emprego total (+2,0%) e uma redução da taxa de desemprego de 6,6% para 6,0% entre 2021 e 2022.

Relativamente à variação dos preços, um dos problemas mais sentidos ao longo do ano, tanto pelas famílias como pelas empresas, registou-se um aumento acentuado em 2022, com a variação do índice de preços no consumidor a situar-se em 7,8% (após +1,3% em 2021).

2022, com a variação do índice de preços no consumidor a situar-se em 7,8% (depois de +1,3% em 2021).De acordo com as estimativas da FEPICOP, a produção do setor da construção cresceu, em termos reais, 3,4% em 2022.

Variação percentual do investimento em termos reais em relação ao ano anterior. Fonte: FIEC

Variação percentual do investimento em termos reais em relação ao ano anterior. Fonte: FIEC.

Após este ano, o crescimento acumulado da produção global do setor no período 2017-2022 ultrapassa os 28% em termos reais, insuficiente, ainda assim, para anular a retração de 59% verificada no valor global da produção da construção durante o período de recessão que se iniciou em 2002 e se prolongou até 2016.

Esta recuperação da produção do setor tem sido acompanhada por um aumento do número de trabalhadores da construção, que passou de 290000, em média, em 2016, para 316 100 trabalhadores, em média, em 2022. Face a 2021, o emprego na construção cresceu 3,5%, acima do emprego total da economia, que aumentou 2,0%. Consequentemente, verificou-se uma redução do desemprego do setor da construção, -9,1% (-12,0% registado para o desemprego total).

Variação percentual do investimento em termos reais do ano anterior. Fonte: FIEC
Variação percentual do investimento em termos reais do ano anterior. Fonte: FIEC.

De acordo com os dados fornecidos pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), 18 665 desempregados da construção civil foram registados nos centros de emprego em dezembro, o que representa 6,7% do total de desempregados registados (278 000).

Prevê-se que o emprego total na economia estagne em 2023 e cresça 0,2% em 2024, enquanto a taxa de desemprego deverá manter o mesmo valor (5,9%) ao longo do período 2022/2024.

Prevê-se que a produção do setor da construção aumente 3,4% em 2023, com o segmento da construção de edifícios a crescer 2,0% e o segmento da engenharia civil com um aumento de 5,0%.

Produção de construção de habitação

Durante o ano, a procura de imóveis residenciais manteve-se elevada, tanto a nível nacional como internacional, o que se refletiu num elevado volume de transações imobiliárias durante o ano. De acordo com os dados do INE, até ao final de setembro de 2022, foram transacionados 1 294 000 fogos (+8,0% em termos homólogos), num valor total de 24,4 mil milhões de euros, um valor 23% superior ao observado no mesmo período de 2021.

A maior parte das transações (82%) refere-se a habitações já usadas, tendo o seu número aumentado 6,4% face ao período homólogo de 2021. Por outro lado, as transações de casas novas registaram um aumento acentuado de 16% no número de transacções, face ao ano anterior.

Em 2022, o volume de produção no segmento residencial cresceu cerca de 3,7%, em termos reais
Em 2022, o volume de produção no segmento residencial cresceu cerca de 3,7%, em termos reais.

A produção de construção de habitação nova assumiu o papel mais dinâmico no segmento residencial, com um crescimento real de 4,2% face ao ano anterior, enquanto as obras de reparação e manutenção aumentaram para uma taxa próxima de 3,0% em termos reais.

De acordo com os dados do INE, o número de novas licenças de construção de habitações durante o ano de 2022 atingiu 30 000, refletindo um aumento de 5,1% em relação ao ano anterior, enquanto a conclusão de novas habitações cresceu 3,5% (19 742).

Para 2023, as previsões apontam para uma evolução positiva de +3,0% na produção de construção residencial, o crescimento mais baixo dos últimos 8 anos. A principal razão para este crescimento mais moderado resulta da tendência expetável de subida das taxas de juro e dos custos dos materiais ao longo do ano. Ambas as componentes deste segmento deverão registar um crescimento ao longo de 2023, com a componente de construção nova a crescer mais intensamente do que a componente de obras de manutenção/reabilitação (+3,4% e +2,5%, respetivamente)..

Construção não residencial

Em 2022, a produção do segmento dos edifícios não residenciais registou um aumento de 1,0% (+0,9% no ano anterior).

Após dois anos em que o desempenho da componente privada foi desfavorável, em 2022 registou-se uma recuperação da área licenciada para construção nova de edifícios não residenciais. Assim, ao longo de 2022, foram aprovados 2,9 milhões de m2, o que refletiu um aumento de 14% face ao ano anterior.

As licenças para a construção de edifícios para fins comerciais foram as que registaram a evolução mais positiva em 2022, +75% em termos homólogos, seguindo-se a área aprovada para a construção de edifícios para agricultura: +36%. A área aprovada para edifícios industriais registou um aumento de 15%, mantendo-se como o principal destino da área aprovada: 32% do total.

Relativamente à evolução da componente pública deste segmento da construção, é de salientar a evolução favorável do investimento público em 2022, que registou uma taxa de crescimento anual de 6,1%, de acordo com os dados disponibilizados pelo Ministério das Finanças. Em 2022, o montante global deste investimento atingiu 6,7 mil milhões de euros, sendo que uma parte significativa deste investimento se materializou em obras de construção.

A produção de construção não residencial deverá registar um aumento de 0,7% em volume em 2023, um ritmo mais moderado do que a evolução estimada para o ano anterior. Ainda assim, ambas as componentes deste segmento deverão registar uma evolução positiva ao longo de 2023.

Engenharia civil

Em 2022, entre os vários segmentos do setor da construção, a engenharia civil deverá ter registado o crescimento mais acentuado (+4,5% em volume, face a 2021), assumindo-se como o principal contributo para a evolução positiva que o setor da construção revelou ao longo do ano.

De acordo com os dados do “Observador do Mercado Público”, o mercado das obras públicas registou um desempenho negativo em 2022, tal como já tinha acontecido em 2021. O número de propostas diminuiu 16,0% e o valor 3,3%, enquanto o número de contratos assinados diminuiu 32,5% e o valor 29,3% durante o ano.

A tendência prevista para a produção do segmento da engenharia civil em 2023 é positiva, refletindo um reforço da taxa de crescimento homólogo desta componente, passando de uma estimativa de +4,5% em 2022, para um aumento projetado de +5,0% em 2023. Com este crescimento, prevê-se que o valor da produção deste segmento corresponda a cerca de 48,5% da produção total prevista para o setor em 2023.

Esta previsão otimista assenta quer na expetativa do peso do investimento público no crescimento do PIB (de 2,6% em 2022 para 3,0% em 2023, de acordo com as previsões da Comissão Europeia) e no aumento da utilização dos financiamentos comunitários que Portugal recebe de vários programas dos fundos comunitários (principalmente Portugal 2030 e PRR - Programa de Recuperação e Resiliência).

Preços dos materiais de construção

A partir de 2021 e prolongando-se até 2022, registou-se um aumento acentuado do preço da maioria dos materiais de construção em Portugal. As estimativas para as variações médias anuais dos custos de construção (incluindo mão de obra, materiais e equipamentos utilizados na construção) apontavam para +9,7% em 2021 e +13,3% em 2022, com os aumentos dos preços dos materiais assumem o principal contributo para a variação total dos custos de construção.

Fonte: FIEC

REVISTAS

Profei, S.L.Panasonic PortugalSiga-nosSoliusChillventa

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter O Instalador

    17/06/2024

  • Newsletter O Instalador

    10/06/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial