Efcis - Comércio Internacional, S.A.
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Investimentos atuais na transição energética são insuficientes para atingir a meta das zero emissões líquidas até 2050

02/01/2024
World Energy Markets Observatory 2023 da Capgemini revela que o valor tem de aumentar para 5.000 mil milhões de dólares/ano.
Imagen

Só é possível proteger o abastecimento energético contra eventuais incertezas geopolíticas se cada país fizer a transição para fontes de energia renováveis. Esta é uma das conclusões do World Energy Markets Observatory 2023, estudo levado a cabo pela Capgemini, que aponta que o aumento da capacidade de fornecimento de eletricidade proveniente de fontes renováveis está a impulsionar mudanças. No entanto o documento também realça que o atual ritmo de crescimento ainda está muito aquém do necessário e deve triplicar para que possam ser cumpridas as metas estabelecidas para 2050. A conclusão é taxativa: são necessárias medidas que sejam flexíveis e que considerem a adaptação aos efeitos atuais e futuros das alterações climáticas.

O relatório, que vai na sua 25ª edição anual, foi criado em parceria com a Vaasa ETT e a Enerdata. Trata-se de um estudo que faz um balanço do estado atual da transição energética, revelando que, apesar dos progressos alcançados, as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) continuam a aumentar e as consequências das alterações climáticas estão a acontecer muito mais rapidamente do que o esperado.

As principais observações do relatório incluem:

• Capacidade das energias renováveis em todo o mundo tem de triplicar. Ainda que os 1.300 mil milhões de dólares de investimentos realizados em transição energética em 2022 sejam um recorde (superando significativamente o valor dos gastos com combustíveis fósseis), para cumprir as metas das zero emissões líquidas até 2050 é preciso que este montante aumente para 5.000 mil milhões de dólares por ano. Em 2022, a componente das energias renováveis atingiu valores inéditos, com um aumento anual de 340GW. Espera-se que 2023 seja outro ano de grandes incrementos nesta área. No entanto, este crescimento está muito aquém do que é necessário para se poder atingir o objetivo das emissões líquidas zero de carbono até 2050, uma vez que a capacidade das energias renováveis global deverá aumentar 2400 GW entre 2022 e 2027 (o que representa um crescimento médio anual de 480 GW). A energia Solar Fotovoltaica (PV) bateu novos recordes em 2022 e tudo indica que o mesmo deverá suceder em 2023. Já no que diz respeito à energia eólica, registou-se um decréscimo de 19% a nível mundial e por comparação com os valores do ano anterior, em virtude das dificuldades de produção de energia eólica offshore na Europa e nos EUA.

• O consumo de eletricidade terá de quadruplicar até 2050 para serem atingidos os objetivos da descarbonização. Mais de 75% do consumo será assegurado por energia eólica e solar. O aumento da capacidade de produção de eletricidade proveniente de fontes renováveis está a aumentar e a impulsionar uma mudança no fornecimento. No entanto, o atual ritmo de crescimento é muito inferior ao que seria necessário, e terá de triplicar para se cumprirem as metas fixadas para 2050. O crescimento da eletrificação deverá ser acompanhado pela necessidade de expansão das redes elétricas. Estas terão de passar de 75 milhões de km para 200 milhões de km e tornar-se mais inteligentes através de uma maior capacidade de armazenamento estacionário, de sensores e da análise inteligente de grandes volumes de dados.

• Renascimento do nuclear desencadeado pelas alterações climáticas e as questões de soberania. Atingir as metas de descarbonização não será possível sem o recurso à energia nuclear e, por isso, é imperativo que haja um foco no alargamento da sua capacidade. A capacidade de produção de energia nuclear terá de triplicar até 2050 para se alcançar o objetivo das zero emissões de carbono, passando-se dos atuais 390 GW para 870 GW até 2050. Para tal será necessário, além de desenvolver grandes e pequenos reatores modulares (SMR), assumir o compromisso de se prolongar com segurança a vida útil dos atuais reatores.

 

Principais recomendações para impulsionar a transição energética

De acordo com Colette Lewiner, Energy and Utilities Senior Advisor da Capgemini: “Apesar dos progressos, o mundo não está na trajetória certa. Embora os investimentos em energias renováveis em 2022 tenham atingido níveis sem precedentes, é fundamental acelerar o desenvolvimento das tecnologias limpas, não só para permitir o abandono dos combustíveis fósseis, mas também para garantir a segurança do abastecimento de energia. O que é necessário fazer para que as cinco grandes tecnologias energéticas verdes (eólica, solar, nuclear, baterias e hidrogénio) cumpram os objetivos estabelecidos para 2050, implica um esforço muito significativo. Os principais obstáculos prendem-se com o financiamento e com a dificuldade que a nossa economia tem de se adaptar rapidamente a estas mudanças. Cada decisão de investimento deve ser tomada tendo em conta o seu impacto na sustentabilidade e na soberania energética, bem como na acessibilidade dos preços para os cidadãos.”

 

Proteção contra futuros impactos no abastecimento causados pela instabilidade política e garantia da soberania energética

A perturbação geopolítica em constante evolução veio reforçar a necessidade dos vários países fazerem a transição para fontes de energia renováveis e de os governos introduzirem políticas que apoiem esta evolução. Nos EUA isto já está a acontecer com a assinatura do Inflation Reduction Act (IRA), um programa que propõe alocar quase 370 mil milhões de dólares em incentivos federais para alavancar para 80% a produção de energia limpa na rede elétrica e reduzir as emissões de gases com efeito estufa em 40% até 2030. No primeiro ano de implementação, este programa já alcançou resultados significativos.

Acelerar o ritmo de transição para as energias renováveis torna os países mais independentes do ponto de vista energético, e ajuda a atenuar um dos principais riscos do abastecimento de energia. A transição energética revela-se não só benéfica para os governos, mas ajuda-os também a salvaguardarem o seu fornecimento de energia contra eventuais ameaças provindas da agitação geopolítica.

 

Mudar a perceção do público para acompanhar as reformas governamentais

A principal forma de fazer a transição energética avançar passa por mudar a perceção de que as escolhas de estilo de vida que são necessárias adotar para alcançar o objetivo do net-zero são inacessíveis para a maioria das pessoas, devido a razões financeiras ou à lógica de que o impacto do comportamento de uma só pessoa não fará a diferença. Os esforços dos cidadãos engajados são cruciais para concretizar a mudança que é necessário fazer. Por exemplo, a campanha ”EcoMode", que teve lugar no Reino Unido, demonstrou o poder dos esforços individuais e coletivos: as famílias participantes alcançaram uma redução notável de 12% no seu consumo de energia. Estes resultados sublinham o impacto significativo que as ações individuais têm na eficiência energética e na sustentabilidade.

 

Adaptar as infraestruturas energéticas para combater os efeitos combinados do aquecimento global e dos fenómenos meteorológicos extremos

O aquecimento global e os eventos climáticos extremos podem ter um impacto significativo na geração e no transporte de energia. As adaptações têm de ser feitas agora. Por exemplo, é preciso adaptar os sistemas de arrefecimento das centrais térmicas, incluindo os reatores nucleares, para fazer face a vagas de calor extremo, como as que atingiram a Europa em 2023. O mesmo se aplica às redes elétricas, que têm de se tornar mais resistentes a condições meteorológicas extremas, quer se trate de vagas de calor, furacões ou de tempestades de neve, uma vez que estes fenómenos podem provocar uma redução na capacidade de transporte da eletricidade, danos físicos e privar os consumidores de um bem vital.

Sobre as conclusões do estudo James Forrest, Global Energy Transition & Utilities Industry Leader da Capgemini, afirma que “acelerar a transição energética é inegociável se quisermos cumprir os objetivos climáticos à escala mundial. Todos os cidadãos estão no centro do sucesso dessa transição. O desafio que enfrentamos é educar o público e mudar a sua perceção de que fazer escolhas energéticas eficientes é algo que não está ao alcance de todos. Não há dúvida de que os governos e as empresas têm um papel importante a desempenhar, incluindo a garantia de que os preços sejam acessíveis para os consumidores, mas, sem a adesão do público, será muito mais difícil fazer avançar a transição energética.”

REVISTAS

Induglobal - Encontros ProfissionaisSiga-nosProfei, S.L.Lisboa Feiras, Congressos e Eventos / Associação Empresarial (Smart Cities Summit - Fil - Tektónica)Daikin - Ar Condicionado

Media Partners

NEWSLETTERS

  • Newsletter O Instalador

    15/04/2024

  • Newsletter O Instalador

    08/04/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial